domingo, 10 de janeiro de 2010

Ser o não-ser

Tomo o banho, lavo a alma, cabelos molhados deitados no travesseiro. Deslizo para a inconsciência.
Acordo amassada... quem será aquela que vejo no espelho?

Sou eu.

Me reconheço. Já vejo estes olhos pequenos e inchados de sono, este rosto redondo e estes cabelos loucos há tanto tempo que os reconheço de imediato, apesar da estranheza do conjunto. Ensaio uma careta enquanto preparo a escova, me espreguiço. Sou eu mesma. Indubitavelmente.
A escova arrasta-se dentro da boca, sôfrega e pesada, enquanto penso em você... olho de relance o vidro à minha frente.

Não sou eu.

Eu era aquela que corria para agarrar-se ao despertar. Aquela que não via. Nem ouvia. Agora está esta aqui, que vê. Que ouve. E realmente se importa com tudo isso. E sorri quando vê o emaranhado de cabelos que desrespeitam a gravidade e teimam em ficar em pé.

Não sou eu. Indubitavelmente.

Mas ela é simpática. Posso aceitar sua cara no espelho todas as manhãs e esse olhar sonhador... suportarei enquanto eu mesma não venho.
Suportarei... desde que ela se comporte. Pare de fazer com que eu me importe com o que você pensa, o que você fala. Desde quando eu sinto meu eixo se partindo diante da possibilidade do seu desprezo/não querer? Não, não... não, senhorita do espelho! Respeite o meu distanciamento. Ainda que eu esteja vagando por aí, mereço o respeito da lembrança. Aliás, o lugar ainda é meu! Pode até mesmo ser que eu volte...

Ela sorri para mim. Não ouviu palavra. Estava concentrada brincando de arquear as sobrancelhas... alternadamente.

Antes que eu pudesse retomar a palavra e as advertências, salteou e correu louca, pobrezinha... Quebraremos a cara, pois. Sou agora este não-ser, desobediente, falível, fadado ao julgamento de todos, dos outros, do seu.

Seja gentil.


εïз


Adorei esta tirinha:


Extraído do magnífico Ryot Iras! :D

Um comentário:

  1. O bom é saber que a gente poder mudar (e quer mudar) a cada ida, volta, reviravolta do acaso!

    ResponderExcluir

Oi! Existem pessoas